fbpx

Simbologia do Ajna Chakra

Tan significa expandir, Tra significa além do conhecido. O tantra é um sistema filosófico metodológico de crescimento e autoconhecimento que propõe se valer de todas as ferramentas à disposição para potencializar as nossas capacidades de conhecimento do “sagrado” em nós. Assim, o uso de simbologias como elementos de representação não se limita só a uma manifestação artística, também é um jeito de transmitir um conhecimento e de fazer possível uma ferramenta baseada no elemento sensorial visual.

 

Inicio este artigo oferecendo essa explicação devido a que o Sexto Chakra propõe uma reflexão sobre o equilíbrio entre o todo que somos. A intuição e o perceber além das aparências é uma constante nesse chakra. 

 

O linga que aparece nesse Yantra é o Itara Linga, representante do Itara Shiva, indicando a capacidade de controlar a mente sutil, os desejos, a mente além dos sentidos. Ele é o terceiro linga que aparece no percurso ascendente dos 7 chakras principais -Svayambhu no Muladhara, Bana no Anahata e Itara ou Jyotir no Ajna-.

 

Aqui o elemento que reina se torna mais sutil e abstrato. Após ter passado pelos 5 elementos popularmente conhecidos -Terra, Água, Fogo, Ar e Espaço- chegamos ao Mahatattva, o grande elemento, a mente sutil que segundo a filosofia Samkhya é composto pela mente perceptual -manas-, o intelecto -budhi-, o ego -ahamkara- e a memória -chitta-, além dos cinco princípios básicos ou pancha tanmatras que dão origem aos elementos densos -mahabhutas-.

Ardhanarishvara, o Shiva -Ishvara- metade mulher. Ele é Shiva Shakti, metade masculino e metade feminino. É nesse ponto em que as polaridades se dissolvem, em que emoção e intelecto devem se conciliar para poder transcender. 

 

As duas mãos direitas estão associadas a Shiva, elas seguram:

 

  • um tridente, representando as três qualidades ou aspectos da consciência, cognição, conação e volição.
  • o mudra do destemor.

 

As duas mãos esquerdas correspondem a Shakti, e sustentam:

 

  • um lótus, símbolo de beleza, conhecimento e pureza, a não afetação pelo entorno. 
  • uma vara utilizada para controlar elefantes, para manter sob controle os desejos e a mente.

 

Shiva veste uma pele de tigre, como já falamos em artigos anteriores, representando o domínio sobre a mente perspicaz. Shakti veste um sari e muitas joias, em representação da qualidade “self-effulgent” -auto-emanante-.

 

Ardhanarisvara representa a ausência de dualidade, a união dos aspectos separados em um, e assim a capacidade de intuição, de ler todas as camadas do percebido e do compreendido.

 

A Shakti é Hakini. Ela possibilita o avanço pelo sexto chakra. A cada estágio que a Kundalini avançou ganhou uma cabeça, uma qualidade, assim aqui ela possui seis cabeças que representam:

 

  1. a iluminação
  2. o controle do pensamento
  3. a atenção sem divisão
  4. a concentração perfeita, dharana
  5. a meditação fluida, dhyana
  6. a concentração superconsciente, samadhi

 

Sentada num lótus ela possui 4 mãos:

 

  • com um tambor que mantém um som constante para manter a atenção do meditador ou  meditadora focada.
  • abhaya mudra, o mudra do destemor.
  • um crânio, como símbolo da imparcialidade.
  • um mala para praticar meditação na repetição de mantras.

 

Assim o Yantra do Ajna Chakra é o último Yantra, dos 7 principais, com alta carga de elementos simbólicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *